Crítica

* * *

O jovem Ensemble da Sé de Angra merece toda a nossa atenção já que se trata de um grupo vocal fundado e dirigido pelo musicólogo Luís Henriques, licenciado em musicologia pela Universidade de Évora e actualmente aluno de mestrado na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, especializado na interpretação de polifonia sacra portuguesa dos séculos XVI e XVII, o verdadeiro período de ouro da música erudita portuguesa e uma referencia na história da música universal.

Rui Baeta, barítono (09.05.2013)

I have worked closely with Luís Henriques, Musical Director of the Ensemble da Sé de Angra, and found him to be musically committed, informed, intelligent, sensitive and with an unusually enquiring mind. He has already contributed a great deal to the culture of Portuguese classical music with his historic research and transcriptions of scores. With the creation of the Ensemble da Sé de Angra he has acheived wonderful results in a very short period. To train singers in the performance of the polyphonic masterpieces of the renaissance is an extremely demanding task, requiring patience, commitmet and unusual resources. The Ensemble da Sé de Angra is already performing stylish, accurate and vocally committed renditions of very difficult repertoire. I believe this ensemble deserves full recognition and all possible support for their valuable contribution to the musical life of the Azores Islands.

Jonathan Ayerst, director do grupo Capella Duriensis (30.04.2013)

Tive a honra e o prazer de ter sido colega de Luís Henriques e de, actualmente, enquanto presidente do MPMP, Movimento Patrimonial pela Música Portuguesa, acolher o seu projecto de edição de partituras de polifonia renascentista. Nobre ambição, feito louvável: é de facto urgente a disponibilização e circulação de partituras para que possa este património ser resgatado de tão injusto e negligente esquecimento. Neste contexto, o Ensemble da Sé de Angra é mais um dos projectos notáveis de Luís Henriques, e uma das mais estimulantes consequências que o seu cuidado trabalho enquanto musicólogo e editor tem logrado despoletar. O mais importante, pois, será que a música viva. O Ensemble da Sé de Angra fá-la viver com empenho e correcção. Votos de sucesso!

Edward Luiz Ayres d’Abreu, presidente do Movimento Patrimonial pela Música Portuguesa (28.04.2013)

O Ensemble da Sé de Angra conjuga rigor musicológico, conhecimento de reportório e cuidadosa seleção musical. O bom gosto associado à praxis historicamente informada  permitem prever um projeto com futuro consistente. Importa divulgar para que as boas condições sejam reunidas para o prosseguimento do bom trabalho com persistência, insistindo na descentralização das boas práticas.

Vanda de Sá, musicóloga (23.04.2013)

Justiça feita à polifonia portuguesa do século de ouro. O Ensemble de Angra, sob a direcção de Luís Henriques, é hoje um promotor fundamental deste repertório. Contrariando a estagnação na qual infelizmente se encontram hoje muitas das nossas riquezas musicais do passado, o Ensemble da Sé de Angra constitui-se como um marco nessa revalorização, com toda a fidelidade histórico-interpretativa que nos é proporcionada pelos conhecimentos musicológicos de Luís Henriques. Vozes angélicas em texturas sonoras rarefeitas cantando Estevão Lopes Morago, D. Pedro de Cristo e Mateus d´Aranda, entre muitas outras glórias da nossa polifonia. Reverberações contemplativas que complementam o idílio paisagístico das ilhas açorianas, convidando ao momento espiritual nas belas igrejas que povoam as nove ilhas do arquipélago.

Filipe Mesquita de Oliveira, musicólogo (22.04.2013)